Coloque o seu telemóvel na vertical para navegar no site.

Coloque o seu telemóvel na vertical para navegar no site.

Segurança

Princípios da Gestão de Risco

O que é a Gestão de Risco?

É um conjunto de estratégias como identificação, avaliação e controlo de riscos de caráter proativo e sistemática que estão ligados a uma determinada atividade.

Perigo: Fonte, situação ou ato com potencial para o dano em termos de lesões, ferimentos ou danos para a saúde ou uma combinação destes.

Identificação do perigo: Processo de reconhecer a existência de um perigo e definir as suas características.

Risco: Combinação da probabilidade de ocorrência de um acontecimento perigoso ou exposição e da severidade das lesões, ferimentos ou danos para a saúde, que pode ser causada pelo acontecimento ou pela exposição.

Avaliação de risco: É um processo de avaliação de risco resultante de um perigo, tendo em consideração a adequação de quaisquer controlos já existentes e de decisão sobre se o risco é ou não aceitável.

Qual a mais valia da gestão de risco?

Processo dinâmico que permite que a organização atue de forma preventiva, de modo a eliminar, minimizar ou controlar o risco de possíveis danos, quer sejam humanos ou materiais.
A gestão de risco não se resume só à ação de detetar e controlar os riscos, mas permite criar e detetar oportunidades de melhoria.

icon passo 1

Etapa 1

Identificação de perigos e riscos

icon passo 2

Etapa 2

Análise dos riscos

icon passo 3

Etapa 3

Avaliação dos riscos

icon passo 4

Etapa 4

Medidas de controlo

icon passo 5

Etapa 5

Rever e atualizar


Etapa 1:
É feita a identificação das fontes de perigo, áreas que podem ser afetadas, quais as causas e possíveis consequências. Pretende-se criar uma lista abrangente de riscos baseada nos eventos que possam causar impacto na obtenção dos objetivos. A identificação deverá ser um processo abrangente e exaustivo a todos os processos como o comportamento humano, as máquinas/equipamentos ou procedimentos operacionais.

Etapa 2:
É feita a análise dos riscos tendo em conta a probabilidade de ocorrência e as consequências de cada risco. O objetivo é entender cada tipo de risco e qual o impacto que poderá causar na organização, nos Colaboradores, nos equipamentos ou nas infraestruturas mais vulneráveis.


Etapa 3:
É feita a avaliação do risco tendo em conta a magnitude que é obtida através da combinação da probabilidade de ocorrência e as suas consequências. Após a avaliação, é decidido se o risco é aceitável ou se é necessário adotar medidas de forma a controlá-lo.


Etapa 4:
É estabelecido um plano de forma a reduzir/controlar os riscos que não são admissíveis para patamares aceitáveis. Nesta etapa são criadas estratégias de mitigação de riscos, planos de prevenção e planos de contingência. Neste plano deverão ser envolvidos os responsáveis, ser estabelecidos prazos de execução das tarefas e os meios necessários à implementação.



Etapa 5:
A monitorização, revisão e atualização do processo de gestão de risco deve ser continuo com o objetivo de obter informação adicional para melhorar a apreciação do risco, para analisar e aprender com os eventos e alterações que ocorrem, para detetar alterações ao risco que podem requerer a revisão do seu procedimento ou alteração das prioridades e para identificar novos riscos.

Gestão de Risco

Princípios que devem fazer parte do processo de gestão de risco

O processo deve criar valor para a organização

  • Deve ser parte integrante do processo organizacional geral;
  • Deve ter em consideração o processo geral de tomada de decisão da empresa;
  • Deve abordar explicitamente qualquer incerteza;
  • Deve ser sistemático e estruturado;
  • Deve basear-se nas melhores informações disponíveis;
  • Deve ser adaptado ao projeto;
  • Deve ter em consideração fatores humanos, incluindo possíveis erros;
  • Deve ser transparente e abrangente;
  • Deve ser adaptável à mudança;
  • Deve ser continuamente monitorizado e aperfeiçoado.

Hierarquização de medidas preventivas/corretivas no âmbito do controlo de riscos:

  • Eliminar o risco.
    É o primeiro objetivo em termos de prevenção. Caso não seja possível, avaliar a forma de diminuir o risco associado.

  • Substituir o risco.
    Substituir o agente/material perigoso por outro menos perigoso.

  • Medidas de engenharia.
    Implementar medidas de engenharia de modo a eliminar ou reduzir a exposição, como proteções de máquinas e equipamentos, sistemas de extração de fumos ou gases.
  • Medidas administrativas/organizativas.
    Formação aos Colaboradores, rotatividade dos postos de trabalho, ajuste de horários de pausas.

  • Medidas de proteção individual.
    Utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) adequados à tarefa.

O conteúdo deste artigo é meramente informativo.

Artigos relacionados

  • Medidas preventivas Covid-19

    A melhor forma de impedir a transmissão é usar uma combinação de todas as medidas preventivas e não apenas os Equipamentos de Proteção Individual (EPI). A aplicação de uma combinação de medidas de controle pode fornecer um grau adicional de proteção.

  • O que fazer em caso de possível infeção de colaborador?

    É necessário estabelecer protocolos caso um Colaborador manifeste sintomas no seu local de trabalho, para protegê-lo e proteger a restante da equipa, definindo o processo de alerta de Colaborador com sintomas.

  • Higienização do local de trabalho

    Definir e exigir procedimentos e processos básicos de higienização das mãos, de etiqueta respiratória; de colocação de máscaras e procedimentos de conduta social e manter práticas regulares de limpeza, de forma clara, simples e objetiva, fornecendo recursos e um ambiente de trabalho que promova a higiene pessoal.