Gerir a mesada dos seus filhos

Em Portugal, as crianças começam a receber mesada, em média, aos 9 anos. É, nesta idade, que começam a ter noção do conceito de dinheiro, a compreender o seu valor e a sua necessidade.

Esta etapa é importante tanto nas suas vidas como na sua educação. É a oportunidade para se tornarem mais autónomas. O valor da mesada que vai estabelecer vai depender das necessidades do/a seu/sua filho/a.

Converse com ele/a sobre o assunto, ajudando-o/a a perceber melhor as suas necessidades e a gerir o valor definido. Em média, as crianças de 9 a 11 anos recebem €10 por mês.

Atribuir uma mesada ao/à seu/sua filho/a tem um objetivo educacional:

  • Promove a autonomia da criança e exige que esta faça a gestão do seu dinheiro, identificando as suas necessidades, e consequentemente que identifique as suas prioridades;
  • Torna-o/a responsável e ensina-lhe o valor do dinheiro e o conceito de poupança.

Como ajudar uma criança a gerir o seu orçamento?

  • Uma vez que a quantia é definida e as regras estabelecidas, deixe as crianças realizarem as suas próprias experiências e não faça juízos de valor. Se cometerem erros, irão perceber como gerir melhor a sua mesada por si mesmas;
  • A mesada deverá constituir uma forma excecional de motivação e não deverá ser objeto de chantagem. O dinheiro pode ser uma fonte de motivação, mas não deve tornar-se o objetivo de ‘premiação’ pelo bom comportamento da criança;
  • É importante estabelecer regras para as compras com a mesada, proibindo determinado tipo de produtos/serviços que considere inapropriados. Para os mais jovens, pode advertir, por exemplo, que os doces em demasia têm um efeito prejudicial para a saúde.

 
Deverá, igualmente, ajudá-lo/a a proteger o dinheiro que lhe é dado, falando-lhe sobre a perda e o roubo.

  • A criança precisa de aprender a proteger e a guardar o seu dinheiro para evitar as perdas. Guardar as notas e as moedas no mealheiro poderá ser uma aposta mais segura;
  • Geralmente, os ladrões ameaçam e intimidam, apelando ao silêncio. Deverá promover o diálogo sobre as situações de roubo e abordar os respetivos perigos.

O conteúdo deste artigo é meramente informativo.