O que fazer em caso de otite?

A otite é uma dor de ouvido que pode ser mais ou menos violenta. É comum nas crianças e, na maioria dos casos, cura-se rapidamente. Dependendo da sua localização no ouvido, distinguem-se as tipologias de otite. Por exemplo, a otite mais comum, a média, afeta a parte do ouvido situada na parte de trás do tímpano.

O que é a otite média?

A otite média pode ser causada por um vírus ou uma bactéria. Muitas vezes, sucede-se uma infeção das vias respiratórias superiores, como, por exemplo, uma rinofaringite. 
Esta infeção provoca uma obstrução nas tubas auditivas (trompas de Eustáquio): um líquido acumula-se no ouvido médio e pressiona o tímpano, causando dor.
Poderá aparecer pus em caso de superinfeção bacteriana.

Quais são os sintomas da otite média?

Os sintomas mais comuns são: febre moderada; fadiga; vómitos; falta de apetite; dores; e, problemas em dormir. 
Às vezes acontece que, sob a pressão do líquido acumulado, o tímpano estoura, libertando o líquido ou pus e aliviando assim a dor. 
Não entre em pânico: o tímpano sara em aproximadamente dez dias.

Quais são as complicações das otites?

No geral, as otites são facilmente curáveis. No entanto, por vezes podem complicar-se com a extensão da infeção a todas as cavidades do ouvido até à mastóide - conjunto de cavidades ósseas ligadas ao ouvido médio. 

A inflamação da mastóide (mastoidite) pode exigir intervenção cirúrgica para remover o pus acumulado. 
Por vezes, a otite persiste apesar dos tratamentos, e por isso é necessário tomar um antibiótico específico para combater a bactéria em causa. 

No caso de ocorrência frequente, a criança deverá ser examinada pelo/a médico/a de forma a serem analisados os fatores que continuam a provocar a repetição: vegetações adenóides; otite serosa; contaminações frequentes da criança quando está em contacto com outras crianças ou pessoas; tabagismo passivo; poluição atmosférica; alergias; idade (entre seis e dezoito meses); carência de ferro; entre outras. 

O/A seu/sua médico/a poderá aconselhá-lo/a a consultar um especialista.

O que é a otite serosa?

A otite serosa é uma inflamação do ouvido que causa um derrame de um líquido produzido por uma obstrução crónica das trompas de Eustáquio. Ao contrário da otite média, a presença de fluido atrás do tímpano na otite serosa não dói, e por isso passa muitas vezes despercebida, podendo o seu diagnóstico ser tardio.

O derrame ocorre geralmente em ambos os ouvidos. Suspeita-se de otite serosa quando a criança tem otites médias repetitivamente ou começa a ouvir mal.

Na maioria dos casos, a otite serosa é apenas transitória, mas pode tornar-se crónica e persistir por vários meses. Se não for efetuado nenhum tratamento, a audição da criança pode ficar danificada permanentemente.

Uma diminuição da audição, falta de eloquência ou problemas na escola podem ser sinais de alerta.

Quais são os tratamentos para otites?

Na maioria dos casos, a otite desaparece em poucos dias. O tratamento inclui medicação para as dores e febre. Por vezes, o/a médico/a prescreve antibióticos para evitar uma possível superinfeção. 
As gotas para os ouvidos podem também ser prescritas para reduzir a dor.

Em alguns casos, um tratamento para aliviar a dor consiste na abertura de um orifício na membrana do tímpano (miringotomia), através do qual o líquido poderá fluir para o exterior.

É importante que a criança seja acompanhada duas semanas após a intervenção, de forma a ser verificado se a audição e o tímpano estão estáveis.

Para as crianças com infeções recorrentes no ouvido, poderá ser recomendável a remoção dos adenóides.

Como prevenir as otites?

Não há formas específicas para evitar as otites. No entanto, poderá vigiar e testar com regularidade a audição do/a seu/sua/ filho/a.

Lembre-se que para limpar os ouvidos não deverá usar cotonete, pois pode empurrar a secreção serosa para a parte inferior do canal auditivo, obstruindo-o. Em vez da cotonete, poderá utilizar um pequeno fio de algodão seco apenas na parte superficial do ouvido (sem chegar ao canal auditivo).

O conteúdo deste artigo é meramente informativo e não dispensa a consulta de um médico.